A FRASE DE UM GRANDE AMIGO:

VOCÊ CONFIA EM MIM? DIAS DEPOIS ME CONVENCI DE QUE SÓ DEVO CONFIAR NA JUSTIÇA.

"Não se escravize às opiniões da leviandade ou da ignorância."
Não importa o que os outros pensam ou dizem de nós.
O que verdadeiramente importa é aquilo que realmente somos.
Tenha sua consciência tranquila, mesmo que seja condenado.
Não se esqueça de que Jesus foi condenado, e Herodes foi o vencedor momentâneo.
Mas responda: qual dos dois foi verdadeiramente o vencedor?
Fonte: Minutos de Sabedoria, C. Torres Pastorino

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

FENÔMENO DO CEARÁ.


Um fenômeno, dizem os mais animados; enquanto outros observadores, ainda realizando análises, buscam motivos para a expressiva votação (43.655 votos) alcançada nas eleições para vereador de Fortaleza pelo capitão da Polícia Militar Wagner Sousa. Alguém que não contou com grandes financiamentos e, no entanto, auferiu a terceira maior votação do País nas eleições proporcionais de 2012.
Tal acontecimento não pode ser analisado através de paralelos com os campeões de votos das outras capitais, como a combativa “Professora do Youtube”, Amanda Gurgel, eleita em Natal (RN) com incríveis 8,59% dos votos válidos, a maior proporção entre as capitais. O diagnóstico deve ser feito buscando os fatos que realmente contribuíram com a épica vitória do capitão.
Assim, iniciamos a análise retornando ao ano de 2010, quando o então desconhecido capitão é lançado candidato a deputado estadual, obtendo os já surpreendentes 28.818 votos em todo o Estado, mostrando que os profissionais de segurança pública, especialmente os integrantes da Polícia Militar, haviam acordado para a política. Trata-se de um projeto coletivo, discutido inclusive nas redes sociais, no qual Wagner Sousa é, ao mesmo tempo, coadjuvante a protagonista.
Em 2011, é fundada uma nova associação, cujo presidente é o mesmo capitão. Nela foram congregadas diversas categorias de profissionais do campo da segurança pública, de agentes penitenciários a oficiais superiores das corporações militares estaduais. A atuação em prol dessa classe deu à figura do capitão uma credibilidade e aceitação que passou a chamar a atenção até dos políticos mais influentes e tradicionais do estado.
Tal credibilidade, somada às insatisfações dos militares estaduais, principalmente do recém-criado Ronda do Quarteirão, deu origem ao movimento mais inusitado da história contemporânea da Capital e, durante seis dias, Fortaleza foi abalada com o caos e o pânico causados pela paralisação das forças públicas de segurança do Estado. Nem mesmo o exército e a Força Nacional puderam impedir “o dia em que a terra parou”, 3 de janeiro de 2012, na capital alencarina. O movimento alcançou seus objetivos e a sociedade passou a considerar ainda mais a importância de seus policiais. A essa altura, o capitão já se tornava um grande vulto da história recente de Fortaleza.
Finalmente, nas eleições para vereador, a confirmação: Fortaleza vê uma campanha diferente, sem os velhos artifícios utilizados para ganhar eleições. Novos setores, tais como o dos policiais, antes alijados do processo político, agora surgem como verdadeiros protagonistas da história. O resultado foi a votação estratosférica do líder político.
 Anderson Duarte
Bacharel em Geografia e em Segurança Pública
Fonte: www.capitaowagner.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário