A FRASE DE UM GRANDE AMIGO:

VOCÊ CONFIA EM MIM? DIAS DEPOIS ME CONVENCI DE QUE SÓ DEVO CONFIAR NA JUSTIÇA.

"Não se escravize às opiniões da leviandade ou da ignorância."
Não importa o que os outros pensam ou dizem de nós.
O que verdadeiramente importa é aquilo que realmente somos.
Tenha sua consciência tranquila, mesmo que seja condenado.
Não se esqueça de que Jesus foi condenado, e Herodes foi o vencedor momentâneo.
Mas responda: qual dos dois foi verdadeiramente o vencedor?
Fonte: Minutos de Sabedoria, C. Torres Pastorino

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Deputado Soldado Prisco (BA), apreende drogas e prende traficantes




Um fato inusitado aconteceu na tarde desta quinta-feira (09), quando um deputado no exercício do mandato, após testemunhar um crime, avocou a profissão de policial militar e prendeu em flagrante o criminoso. 

A ocorrência aconteceu por volta das 16h30 dentro do ferryboat, que liga Salvador Itaparica. O Soldado PM Marcos Prisco apreendeu quase 1 kg de maconha prensada, 05 pedras de crack e prendeu 2 traficantes, que foram apresentados a uma viatura da 5.ª CIPM de Mar Grande para serem encaminhados à Delegacia para lavratura do auto prisão em flagrante.

sábado, 4 de abril de 2015

POR QUE TEMEM A ASCENSÃO DO DEPUTADO FEDERAL CABO DACIOLO?

Sentado na minha confortável poltrona, me veio de repente a vontade de escrever sobre o que tenho lido e ouvido a respeito do Deputado Federal Cabo Daciolo.
Durante dois meses de mandato o Daciolo, na minha visão, tem assustado muita gente que está há muito tempo no poder. Claro que não há aqui uma generalização! Porém nas suas inércias muitos nunca tiveram a disposição, a ousadia e a capacidade do cabo.
O poder é fascinante! A nossa história é repleta de relatos de assassinatos por parte de poderosos que só temiam a evolução de pessoas com capacidade de influenciar a grande massa, abrindo-lhes os olhos para que enxergassem a escravidão em que viviam.
Hoje, diante da carência de políticos de ponta e com disposição, a pequena parcela que se recusa a ficar deitado em berço esplêndido começa a incomodar.
Para parte dos eleitores, é muito bom ver os jovens políticos fazendo algo diferente, pois o marasmo de velhos políticos há tempos vem incomodando. É sempre a mesma coisa, sempre os mesmos estilos de discursos, e o que é pior, quase nada avança em favor da sociedade.
O Cabo Daciolo é uma das mais novas revelações da política do Rio de Janeiro. Ainda em início de mandato começa a ultrapassar os limites do Estado e isso é uma tortura para os que veem sua ascensão, pois começam a perceber que pararam no tempo.
Outro fato importante que posso observar é o impacto e o pânico que os anticristos vêm sentindo ao ouvir alguém falar o nome de Deus. Não devemos nos assustar com isso porque ao longo da história sempre foi assim! O caso mais recente do poder da fé veio à luz na quinta-feira passada, com os relatos da ex-modelo Andressa Urach, que no programa do Gugu, na Record, falou que era viciada em cocaína. É possível imaginar no que mais a ex-modelo era viciada! Se ela se arrependeu de suas mazelas, é claro que muitos anticristos se dobrarão ao poder de Deus! É uma questão de tempo.
O laicismo não permite a intervenção da religião no Estado nem da igreja em assuntos políticos e religiosos, por outro lado a liberdade de expressão é intocável.
Desta forma, até o presente momento, se colocarmos na balança a atuação do Deputado Federal Cabo Daciolo e a daqueles que se colocaram como seus algozes, o resultado final será muito positivo.

A atuação dos lutadores sociais no parlamento burguês: um debate com o Psol e o deputado federal Cabo Daciolo



Daciolo não foi o primeiro e nem será o último lutador pressionado pelo Estado e pelo parlamentarismo democrático-burguês. Após sucessivas polêmicas envolvendo o referido deputado, podemos concluir que não se trataram somente de algumas vacilações ou de uma má assessoria. Mas sim de uma tendência política para qual se inclina o homem que enfrentou o Bope e iniciou a derrocada política de Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro.

O PSTU esteve lado a lado com Daciolo nas históricas greves dos bombeiros em 2011 e 2012, quando chegou a ser preso por lutar junto aos pobres. Dacilo animou com toda a sua energia diverso encontros da CSP-Conlutas e da Assembleia Nacional dos Estudantes-Livre (ANEL) e mostrou que a baixa oficialidade das Forças Armadas pode sim se insurgir contra os seus generais em alguns momentos da luta de classes. O bombeiro esteve por diversas vezes na sede do PSTU para conversar sobre a conjuntura nacional, internacional e até sobre a teoria marxista. Sempre se mostrou aberto a escutar e aprender. Por tudo isso, é com muito pesar que escrevemos essas linhas.

Vamos aos fatos:

Foto com Bolsonaro

Daciolo participou de uma manifestação organizada pelos parlamentares do PSOL contra as declarações do fascista Jair Bolsonaro, quando o deputado do Partido “Progressista” (PP) afirmou que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT), porque “ela não merece”. No entanto, logo em seguida Daciolo tirou fotos ao lado desse estuprador em potencial e se recusou a tocar uma campanha pela cassação de seu mandato.

Ministério da Defesa

O cabo defendeu que o cargo fosse ocupado por um militar de alta patente e afirmou que a criminalidade no Brasil se dá pela falta de policiamento nas ruas, e não pela falta de investimento em saúde, educação e outros direitos sociais.

“PEC dos Apóstolos”

Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que Daciolo propõe substituir a cláusula pétrea “todo poder emana do povo” para “todo poder emana de Deus”, ferindo a pouca laicidade que ainda há no Estado brasileiro.

Cadê o Amarildo?

Talvez o episódio mais chocante do deputado do PSOL. Daciolo presta solidariedade aos policiais acusados de torturar e assassinar o ajudante de pedreiro Amarildo em 2013 na favela da Rocinha, quando este foi levado de sua casa para a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) e em seguida desapareceu, quando o correto seria prestar solidariedade aos familiares de Amarildo.

O exercício que devemos fazer é o seguinte: o que leva um lutador social a tomar decisões tão contrárias às expectativas daqueles que lutaram ao seu lado? A resposta a essa pergunta na opinião do PSTU é a pressão das instituições burguesas. Quando Daciolo participou da manifestação contra as declarações de Bolsonaro, se chocou frontalmente contra uma parte de seus eleitores que têm simpatia pelo militar da reserva, que por sua vez foi o deputado federal mais votado no estado do Rio de Janeiro. Daciolo calculou que não valeria a pena eleitoralmente se confrontar com Bolsonaro e deu um giro completo para posições conservadoras.

Os limites do PSOL

O PSOL agora suspendeu seus direitos políticos e uma de suas alas batalha dia e noite para sua expulsão do Partido. Realmente as posições de Daciolo estão para além das generosas fronteiras do PSOL, mas não é a primeira vez que os parlamentares deste partido capitulam as pressões das instituições burguesas. Marcelo Freixo, por exemplo, já vacilou inúmeras vezes sobre o caráter das UPPs e o que escutamos das correntes internas do PSOL foi um ensurdecedor silêncio.

Freixo chegou até mesmo a segurar um cartaz no Complexo do Alemão onde se lia: “Os moradores do Alemão estão cansados de serem humilhados por abuso de poder. Queremos paz. UPP urgente!”.
Freixo em entrevista no RJTV da Rede Globo em 2012, questionado se cortaria o ponto dos professores em greve, respondeu: “Depende”. Como assim depende? Quer dizer que o corte de ponto é uma possibilidade em uma eventual prefeitura do PSOL? Depois completou: “A possibilidade de greve com a gente é muito menor que com qualquer outro”, numa clara tentativa de ganhar a confiança de parcelas conservadoras da sociedade.

(https://www.youtube.com/watch?v=qLC5NmAQjOU)

O mais recente erro cometido por Freixo e seu colega deputado federal Jean Willys (PSOL) foi ter chamado voto em Dilma no 2º turno das últimas eleições presidenciais, com o argumento de que o governo do PT estaria em disputa pelas ruas e fosse mais sensível a escutar os movimentos sociais. Está aí o resultado: momentos depois de sua reeleição Dilma anuncia Joaquim Levy para o Ministério da Fazendo e Kátia Abreu para o Ministério da Agricultura, nomes de confiança com capital financeiro e do agronegócio. Dilma inicia um duríssimo “ajuste fiscal” para pagar os credores internacionais e faz exorbitantes cortes na saúde e educação.

Hoje está claro que foi errado chamar voto em Dilma. Por mais antipático que fosse, o certo seria alertar os explorados e oprimidos, que qualquer um dos candidatos (Dilma ou Aécio Neves) iriam passadas as eleições atacar brutalmente os direitos dos trabalhadores. Até o momento, Freixo e Jean ainda não fizeram um balanço sobre suas escolhas.

Quem são os candidatos do PSTU?

Dacilo quase foi candidato pelo PSTU nas últimas eleições. Como é da tradição do movimento operário, o PSTU sempre abriu sua legenda democraticamente para lutadores sociais que por ventura não tivessem condições legais de se candidatar. Em 2006, por exemplo, quando não se tinha claro que o PSOL conseguiria se legalizar a tempo, oferecemos nossa legenda a então senadora Heloísa Helena. Todas as vezes que lançamos candidatos que não são nossos quadros orgânicos, o fazemos em base a um protocolo mínimo, onde o candidato se compromete por escrito a assumir um determinado programa em sua campanha.

Outra coisa bem diferente é a campanha de nossos candidatos que pertencem organicamente ao PSTU, como também os mandatos que nos pertencem. O PSTU prioriza os candidatos operários de longa trajetória na organização e provados na luta de classes. Não à toa, Zé Maria, operário metalúrgico foi lançado à presidência da República nas eleições de 1998, 2002, 2010 e 2014.

Também muito nos orgulha o atual vereador de Belém, Cleber Rabelo, operário da construção civil. Cyro Garcia foi bancário do Banco do Brasil durante toda a sua vida, esteve deputado federal em 1993, e se sustenta nos dias de hoje da sua aposentadoria e dando aula em uma universidade privada em Nilópolis. Em todas as experiências parlamentares que tivemos no Brasil, nossos deputados, vereadores e prefeitos sempre ganharam de salário o que recebiam antes de se eleger. O restante é doado para a organização da luta dos movimentos sociais.

Nossos parlamentares são submetidos ao centralismo democrático. Ou seja, defendem no parlamento não sua opinião pessoal, mas sim aquilo que foi discutido e aprovado pela maioria do PSTU, sempre em diálogo com os nossos apoiadores independentes.

Poderíamos citar outros exemplos de revolucionários que participaram do parlamento burguês com a estratégia de destruí-lo apoiando-se prioritariamente nas lutas da classe trabalhadora, mas isso seria tema para um outro artigo. Deixamos aqui uma reflexão para os militantes honestos do PSOL.

A polêmica envolvendo o cabo Daciolo não é um raio num céu azul. Ao contrário, é coerente com o tipo de partido que constrói o PSOL. A tendência é que casos como estes se multipliquem, basta ver a atuação do senador Randolfe Rodrigues (PSOL/AP), auxiliando o governo Dilma nas disputas no Congresso Nacional.

Por fim, aconselhamos Daciolo a se apoiar em algumas “âncoras” para não se perder nos corredores do poder em Brasília: não se afastar das fileiras mais exploradas da classe trabalhadora; estudar as experiências históricas dos revolucionários no parlamento; ter uma perspectiva internacionalista da luta de classes; e usar o parlamento como um ponto de apoio acessório das lutas que se passam por fora das instituições burguesas. Quando os operários do Compej, por exemplo, estiveram em Brasília para lutar pelos seus direitos básicos, Daciolo deu total apoio político e material. Acreditamos que esse é o caminho, Daciolo!

Torcemos sinceramente para rever aquele Daciolo que conhecemos enfrentando o Bope e Cabral, e fez tremer a elitizada Avenida Atlântica.

FONTE: PSTU RIO